Imprensa Suja tenta Massacrar Bolsonaro de todas a formas

A palavra de ordem nas redações da grande imprensa tradicional de todo o país é massacrar a candidatura de Jair Messias Bolsonaro!

Ontem a Revista Veja divulgou em sua matéria de Capa a seguinte manchete;

“Ex-mulher acusou Bolsonaro de furtar cofre com R$ 1,6 milhão”

Segundo a reportagem da Veja:

Em 2007, quando terminavam um casamento de mais de uma década, a ex-mulher de Jair Bolsonaro, Ana Cristina Siqueira Valle, acusou o hoje presidenciável do PSL de furtar seu cofre em uma agência do Banco do Brasil e levar todo o conteúdo: joias avaliadas em 600 000 reais, 30 000 dólares em espécie e mais 200 000 reais em dinheiro vivo — totalizando, em valores de hoje, cerca de 1,6 milhão de reais, algo incompatível com as rendas conhecidas do casal. Ela registrou um boletim de ocorrência na 5ª Delegacia da Polícia Civil do RJ no mesmo dia em que constatou que o cofre estava vazio. “Isso só pode ter sido coisa do meu ex-marido”, disse ela aos funcionários do banco. Um deles tentou acalmá-la, sem sucesso. “Ele pode tudo, e vocês têm medo dele”, respondeu ela.

VEJA teve acesso às mais 500 páginas do processo de separação judicial iniciado em abril de 2008. A ação contém uma série de incriminações mútuas que fazem parte do universo privado do ex-casal. Há, no entanto, acusações de Ana Cristina ao ex-marido que entram na esfera do interesse público porque contradizem a imagem que Bolsonaro construiu sobre si mesmo na campanha presidencial. Além do furto do cofre, ela relatou que o deputado federal ocultou patrimônio pessoal da Justiça Eleitoral em 2006, tinha uma renda de 100 000 reais, incompatíveis com o que recebia como parlamentar (26 700 reais) e como militar da reserva (8 600 reais), e também uma “agressividade desmedida”.

A reportagem é completamente tendenciosa e a própria ex-esposa do presidenciável nega as acusações;

Sobre as acusações, Ana Cristina afirmou à revista que foram fruto de excessos retóricos. Numa curta entrevista à revista, ela disse que as joias e o dinheiro eram coisas dela, coisas do marido e joias que ganhou dele.

Disse que não se lembra por que não atendeu às convocações da polícia para depor sobre o suposto furto das joias.

Ana Cristina disse que, “brava, fala besteira”.

Em outro momento da reportagem Ana Cristina negou as acusações que fez no processo. Disse que, “quando está magoada, fala coisas que não deveria”. Questionada sobre outros rendimentos e a vida afortunada do candidato, perguntou: “Eu falei isso?”

Sobre as acusações de que Bolsonaro era explosivo e de desmedida agressividade, Ana Cristina disse à revista que Bolsonaro é “digno, carinhoso, honesto e provedor”. Acrescentou que, “apesar de machão, ama os filhos incondicionalmente e trata suas mulheres como princesas”.

Logo em seguida a Revista Época publicou a seguinte manchete:

“Produtora de vídeo que só existe no papel recebeu R$ 240 mil da campanha de Bolsonaro”

A produtora de vídeo Mosqueteiros Filmes Ltda em Petrolina (PE) recebeu, segundo a prestação de contas parcial que a campanha de Jair Bolsonaro (PSL) apresentou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), R$ 240 mil, cerca de 20% do total de gastos da campanha até agora. Mas onde deveria funcionar o QG da produção de vídeos para a TV e redes sociais da candidatura presidencial, havia apenas uma casa vazia — uma placa anuncia que ela está à venda. O imóvel está sem uso há mais de dois anos, segundo os moradores do bairro.

Reportagem de ÉPOCA desta semana mostra que o serviço é realizado por funcionários de outra empresa, cujo sócio é parente dos donos da Mosqueteiros. Para a advogada Karina Kufa, responsável pela prestação de contas da campanha, trata-se de um problema trabalhista da produtora. De acordo com advogados eleitorais, informar na prestação de contas o CNPJ de uma empresa laranja, que não é a que de fato está prestando o serviço, pode ser considerado crime de falsidade ideológica eleitoral se constatada a intenção de fraude.

O que a reportagem da Época não citou em nem um momento é que a candidatura de Jair Bolsonaro não usa verbas publicas como as dos demais concorrentes ao pleito.

No inicio da semana foi a Folha de S. Paulo que  deu o ponta pé inicial na caça as bruxas contra o presidenciável com a seguinte manchete:

Ex-mulher afirmou ter sofrido ameaça de morte de Bolsonaro, diz Itamaraty

Na matéria a Folha diz:

Ex-mulher do candidato à Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro, Ana Cristina Valle afirmou ao Itamaraty em 2011 que foi ameaçada de morte por ele, o que a levou a deixar o Brasil. O relato consta de um telegrama reservado arquivado no órgão, ao qual a Folha teve acesso. Na época
Bolsonaro e Ana Cristina travavam uma disputa judicial no Rio de Janeiro sobre a guarda do filho do casal então com cerca de 12 anos

Mas a ex-esposa de Bolsonaro negou os fatos apresentados pelo Jornal

 

 

No twitter Bolsonaro rebateu aos ataques covardes:

 

 

 

O que a Imprensa quer com isso?

Entenda, quanto mais próximo estiver do dia das eleições,  que acontecerá dia 7 Outubro, aqueles que são contra Jair Bolsonaro vão jogar sujo, jornalistas com viés idologico vão publicar tudo o que puder para denegrir  e jogar a opinião publica contra ele, Bolsonaro é uma ameça real para a imprensa, pois ele defende cortes de verbas federais que sustentam as mamatas.

 

Deixe uma resposta